• ISSN (On-line) 2965-1980

Artículo

Acceso abierto Revisado por pares

0

Puntos de vista

Neurorradiología

NEURODEGENERAÇÃO ASSOCIADO A PANTOTENATO KINASE (PKAN)

Rodrigo Mesquita Soares 1, Maria Eugênia Lulini Cintra 2, Jéssica Almeida Moraes 3, Vitor Oliveira Machado 4

Abstracto

Paciente do sexo masculino de 11 anos, em acompanhamento com quadro de início aos 5 anos de idade, apresentando quedas frequentes e distonias musculares progressivas, além de atraso no desenvolvimento psicomotor e dificuldade de aprendizado. Realizou ressonância magnética do crânio que foi sugestiva de depósito excessivo de ferro nos gânglios da base e na pars reticularis da substância negra, sendo associado ao distúrbio metabólico hereditário devido à mutação do gene PANK2.

Dados do caso

Masculino, 11 anos.

Palavras chaves

Ferro, Neurodegeneração Associada a Pantotenato-Quinase.

Histórico Clínico

Paciente do sexo masculino de 11 anos, em acompanhamento com quadro de início aos 5 anos de idade, apresentando quedas frequentes e distonias musculares progressivas, além de atraso no desenvolvimento psicomotor e dificuldade de aprendizado. Evoluiu com progressão da distonia e necessidade de suplementação nutricional e respiratória, bem como dependência em todas as suas atividades.

Achados Radiológicos

As imagens da ressonância magnética do encéfalo no plano axial ponderadas em T2 e FLAIR demonstram hipossinal bilateralmente nos globos pálidos com focos centrais de hipersinal, caracterizando o sinal do “olho de tigre”. Evidencia-se ainda hipossinal na sequência T2 gradiente devido ao efeito de susceptibilidade magnética decorrente do depósito de ferro (figuras 1-3).

Discussão

A neurodegeneração associada à pantotenato-quinase (PKAN) é um distúrbio metabólico hereditário devido à mutação do gene PANK2, descrita por Hallervorden e Spatz, fazendo parte de um grupo de desordens conhecidas como neurodegeneração por acúmulo cerebral de ferro (NBIA). Caracteriza-se pelo depósito excessivo de ferro nos gânglios da base e na pars reticularis da substância negra, locais onde normalmente há uma quantidade maior de ferro em indivíduos saudáveis. ¹ A apresentação clínica, pode ocorrer de duas formas. A primeira, clássica, caracteriza-se por uma rápida progressão dos sintomas na primeira década de vida. A segunda, forma atípica, é lentamente progressiva, ocorrendo após a primeira década de vida. Os sintomas são distonia, disartria, rigidez, coreoatetose e declínio cognitivo, podendo ocorrer também deficiência visual devido à retinopatia pigmentar. ² O uso da ressonância magnética tem grande importância diagnóstica nessa desordem, ao revelar o acúmulo de ferro no globo pálido e substância negra, representado por hipointensidade nas sequências ponderadas em T2. Associa-se ainda gliose e vacuolização do tecido medial do globo pálido, representada por uma hiperintensidade central, configurando assim o sinal radiológico em “olho de tigre”, achados presentes no caso reportado. Também é possível observar baixo sinal nas sequências de susceptibilidade (SWI e GRE), decorrente deste acúmulo de ferro. Não há restrição ou realce pelo contraste. A espectroscopia também pode ser útil pela redução de N-acetilaspartato (NAA) e da relação NAA/ creatinina pela perda neuroaxonal.³ Além dos achados radiológicos característicos presentes no exame do paciente, também foi realizado o sequenciamento do exoma (tabela 1) extraído em DNA de sangue periférico, que revelou a presença de mutação no cromossomo 20q3, confirmando o diagnóstico (OMIM 234200). Tabela 1 : Gene: PANK2 Posição: 3.870.250 - 3.870.258 Variação: GCAGCGCGT>G Consequência: p.Ser169Gly Fs*9CCDS13071.2 Cópias: Homozigose (2cópias)

Lista de Diferenciais

  • ENCEFALOPATIA ANÓXICA
  • INTOXICAÇÃO POR MONÓXIDO DE CARBONO
  • INTOXICAÇÃO POR CIANETO
  • ACIDEMIA METILMALÔNICA
  • KEARNS-SAYRE / ACIDÚRIA L-2-HIDROXIGLUTÁRICA
  • CANAVAN
  • NEUROFERRITINOPATIA
  • KERNICTERUS

Diagnóstico

  • Neurodegeneração com acúmulo de ferro cerebral tipo 1/ Neurodegeneração associada à pantotenato-quinase (OMIM 234200)

Aprendizado

É importante para os médicos, sobretudo os radiologistas, familiarizar-se com os achados de imagens que refletem a distribuição anatômica do acúmulo excessivo de ferro, no contexto da neurodegeneração por acúmulo cerebral de ferro tipo 1, além de terem conhecimento sobre o sinal radiológico característico dessa desordem (“sinal do olho de tigre").

Referências

1- Neurodegeneração com acumulação de ferro cerebral 1; NBIA 1. OMIM® e online mendelian Inheritance in Man® - Johns Hopkins University. Acessado em 17/03/2021. Disponível em: https://www.omim.org/entry/234200
2- Osborn AG, Salzman KL, Jhaveri MD. Diagnostic imaging: Brain. 3ª edição. Filadélfia: Pensilvânia. Ed. Elsevier; 2015.
3- Osborn AG, Hedlund, GL Salzman KL. Osborn’s brain: imaging, pathology, and anatomy. 2ª edição. Filadélfia: Pensilvânia. Ed. Elsevier; 2017.

Imagens


Imagem 1 - Sinal do “olho de tigre” - Hipossinal (setas brancas) envolvendo os globos pálidos (GP) nas sequências ponderadas em T2 e FLAIR denotando acúmulo de ferro, com região hipersinal (setas pretas) na região medial do GP representando gliose / vacuolização desta região.


Imagem 2 - Hipossinal (setas pretas) na sequência de susceptibilidade (T2* - Gradiente) pelo acúmulo de ferro nos globos pálidos.


Imagem 3 - foto ilustrativa dos olhos de tigre.

Artículo recibido en jueves, 18 de marzo de 2021

Artículo aceptado el miércoles, 14 de julio de 2021

CCBY Todos los artículos científicos publicados en brad.org.br están bajo una licencia Creative Commons.

All rights reserved 2022 / © 2024 Bradcases DESARROLLO POR