• ISSN (On-line) 2965-1980

Artículo

Acceso abierto Revisado por pares

0

Puntos de vista

Urorradiología e Imagen Genital Masculina

TROMBOSE PARCIAL IDIOPÁTICA DO CORPO CAVERNOSO. RELATO DE CASO.

Jéssica Larissa Rodrigues 1, Lucas Barros Gonçalves 2, Luis Ronan Marquez Ferreira de Souza 3, Osmar Eustáquio Ribeiro de Souza 4

Abstracto

A trombose parcial do corpo cavernoso, também chamada priapismo parcial, é uma entidade rara que afeta homens jovens. O tratamento é preferencialmente conservador, sendo o cirúrgico reservado para casos refratários. A clínica e os achados de imagem são típicos e suficientes para o diagnóstico não invasivo. Apresentamos os achados clínicos e radiológicos de um paciente de 35 anos que apresentou dor e massa perineal palpável com diagnóstico confirmado por ultrassonografia e ressonância magnética.

Dados do caso

Masculino, 35 anos.

Palavras chaves

Trombose do Corpo Cavernoso, Priapismo, Imagem por Ressonância Magnética, Ultrassonografia.

Histórico Clínico

WLFP, masculino, 35 anos, previamente hígido, relata dor perineal súbita à direita há 5 dias, de forte intensidade,sem melhora com uso de analgésicos. Nega febre, calafrios, trauma. Nega relação com atividade sexual. Ao exame físico apresentava massa dolorosa em região perineal direita. Exames laboratoriais sem alterações dignas de nota. Foram realizados exames de imagem para melhor elucidação do caso.

Achados Radiológicos

A ultrassonografia (figura 1A) mostra aumento do volume do terço proximal do corpo cavernoso direito e ausência de fluxo na artéria cavernosa ipsilateral ao estudo com Doppler em cores (figura 1B). À tomografia computadorizada (figura 2) observa-se aumento do volume do terço proximal do corpo cavernoso direito (setas verdes) e corpo cavernoso esquerdo normal (seta vermelha). A Ressonância Magnética (RM) mostrou uma massa na parte proximal do corpo cavernoso direito com hipossinal nas sequências ponderadas em T2, iso a hipersinal em T1, sem realce pelo meio de contraste e sem restrição à difusão (Figuras 3a e 3b). Foi possível visualizar uma fina membrana delimitando o corpo cavernoso normal da parte trombosada na junção crurocavernosa (figura 4).

Discussão

A trombose do corpo cavernoso ou priapismo parcial (1) é uma entidade rara que afeta homens em media de 32 anos (2), tendo como principal complicação a disfunção erétil. A etiologia dessa condição não é totalmente conhecida, entretanto a presença de um septo fibroso na porção proximal do corpo cavernoso (1), dificultaria a drenagem venosa, provocando estase sanguínea e contribuindo para o seu desenvolvimento. Esse septo, localizado na junção crurocavernosa (figura 4), é melhor identificado através da RM do que na ultrassonografia e sua identificação é importante pois indica risco para recorrência (2). Uma vez identificado, medidas preventivas podem ser tomadas. Na literatura muitos casos de priapismo parcial estão relacionados à compressão perineal prolongada (2), sendo o ciclismo a causa mais comum (2,3) principalmente nos pacientes em estados de hipercoagulabilidade (2). A apresentação clínica típica de dor e massa perineal palpável associadas a achados ultrassonográficos e de RM fornecem o diagnóstico sem a necessidade de métodos invasivos (3,4,5). Esta condição não é uma urgência urológica (3) e atualmente o manejo conservador tem sido utilizado preferencialmente, apresentando bons resultados (3,6,5) com uso de anticoagulação sistêmica, antiagregantes plaquetários e anti-inflamatórios orais (3,7,8). O tratamento cirúrgico é reservado para casos refratários ou recorrentes (6). No caso apresentado o paciente foi tratado de maneira conservadora com uso de anti-inflamatório não-esteroidal e anticoagulante oral, evoluindo favoravelmente sem perda da função erétil.

Lista de Diferenciais

  • Priapismo
  • Abscesso do corpo cavernoso

Diagnóstico

  • Trombose parcial idiopática do corpo cavernoso

Aprendizado

A trombose parcial do corpo cavernoso é uma condição rara que deve ser suspeitada em pacientes com dor e massa perineal palpável. A RM é superior à ultrassonografia para diagnóstico, mostrando um septo fibroso na junção crurocavernosa. O tratamento conservador mostra bons resultados, sendo desta forma o tratamento de escolha.

Referências

Hulth M, Albersen M, Fode M, et al. Idiopathic partial thrombosis of the corpus cavernosum: aetiology, diagnosis and treatment. Scand J Urol.2013;47:163–8.
Weyne E, Schillebeeckx C, Jamaer C, et al. Idiopathic partial thrombosis(IPT) of the corpus cavernosum: a hypothesis-generating case series andreview of the literature. J Sex Med. 2015;12:2118–25.
Goeman L, Joniau S, Oyen R, et al. Idiopathic partial thrombosis of thecorpus cavernosum: conservative management is effective and possible.Eur Urol. 2003;44:119–23.
Pretorius ES, Siegelman E, Ramchandani P, Banner MP. MR Imaging of the Penis. Radiographics2001;21:283–98
Pegios W, Rausch M, Balzer JO, Wolfram M, Bentas W, Jonas D, et al. MRI and color-coded duplex duplex sonography: diagnosis of partial priapism. EurRadiol2002;12:2532–5.
Lewis JH, Javidan J, Keoleian CM, Shetty SD. Management ofpartial segmental priapism.Urology 2001;57:169–70.
Horger DC, Wingo MS, Keane TE. Partial segmental thrombosis of corpuscavernosum: case report and review of world literature. Urology.2005;66:194.
Gluchowski J, Bławat A, Kordasz J, et al. Partial segmental thrombosis of the corpus cavernosum. Cent European J Urol. 2011; 64:264–5.

Imagens


Ultrassonografia do pênis mostrando aumento do volume do terço proximal do corpo cavernoso direito (figura 1 A) e ausência de fluxo na artéria cavernosa ipsilateral ao estudo color Doppler (figura 1B).


Tomografia computadorizada mostrando aumento do volume do terço proximal do corpo cavernoso direito (setas verdes) e corpo cavernoso esquerdo normal (seta vermelha).


Ressonância magnética com sequencias ponderadas em T1 mostrando o trombo com iso a hipersinal, sem realce pelo meio de contraste (figura 3 A).


Ressonância magnética - nas sequências DWI E Mapa ADC não há restrição à difusão (Figura 3 B)


Ressonância magnética ponderada em T2 em cortes axial (figura 4A) e sagital (figura 4B), mostrando o septo fibroso (seta) no seguimento proximal do corpo cavernoso que separa a parte normal da trombosada.

Artículo recibido en martes, 28 de enero de 2020

Artículo aceptado el viernes, 31 de enero de 2020

CCBY Todos los artículos científicos publicados en brad.org.br están bajo una licencia Creative Commons.

All rights reserved 2022 / © 2024 Bradcases DESARROLLO POR