Case data

Gastrointestinal

Emergency

ÚLCERA DUODENAL PERFURADA: UM DIAGNÓSTICO ESQUECIDO

135
Ensino
Tipo Caso 1
  • Bruno Cechini Sganzerla - HOSPITAL BANDEIRANTES S.A
  • Abdallah de Paula Houat - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP - ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA
  • Bruno Jucá Ribeiro - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP - ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA
  • Pedro Sergio Brito Panizza - SOCIEDADE BENEFICENTE DE SENHORAS - HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS
-
4/29/2020
6/17/2020
Masculino , 58 anos
Úlcera Duodenal, Abdome Agudo, Úlcera Péptica Perfurada, Pneumoperitônio

Abstract

A doença ulcerosa péptica (DUP) e sua principal complicação, perfurações do trato gastrointestinal, ocorrem devido a uma variedade de causas. A maioria das perfurações constituem emergências cirúrgicas que devem ser reconhecidas e tratadas rapidamente. A tomografia computadorizada (TC) de abdome pode oferecer grande valor diagnóstico para a DUP complicada.

Clinical History

Sexo masculino, 58 anos. Paciente deu entrada no pronto-atendimento com história de dor abdominal de forte intensidade há 1 dia, associado a náuseas. Ao exame físico, apresentava abdome distendido e doloroso à palpação. Prosseguiu-se a investigação com TC de abdome e pelve com contraste endovenoso para avaliação de abdome agudo.

Radiological findings

A TC de abdome e pelve evidenciou discreto espessamento parietal da primeira / segunda porção duodenal, onde há área de descontinuidade parietal, associado a acúmulo líquido e densificação da gordura adjacente. Observou-se, ainda, pneumoperitônio.

Discussion

A DUP é uma patologia de alta prevalência populacional que passou por modificações de conduta e desfecho nas últimas décadas (uso dos inibidores de bombas de prótons, disseminação das Endoscopias Digestivas Altas e tratamento do Helicobacter pylori), de tal forma que a sua ocorrência no pronto socorro reduziu bastante, já que a complicação com perfuração se tornou um evento raro. Os principais fatores de risco são infecção por Helicobacter pylori, seguida do uso de anti-inflamatórios não-esteroidais. A úlcera péptica é a causa mais comum de perfuração gastroduodenal, seguida de necrose ou ulceração de causas malignas e por injúrias traumáticas, iatrogênicas ou não. O diagnóstico de perfuração gastroduodenal é realizado pelos achados clínicos associados aos exames de imagens. Na doença ulcerosa sem perfuração, a TC apresenta baixa sensibilidade para o diagnóstico (30%) e cerca de 54% dos casos podem ser ocultos ao método. Contudo, na doença perfurada a sensibilidade da TC torna-se alta, pois consegue identificar aproximadamente 82-90% dos casos. O principal achado de perfuração é o pneumoperitônio, considerado achado indireto. Porém, a TC também é capaz de identificar a localização precisa da perfuração, principalmente quando realizado cortes finos e multiplanares, nos quais a caracterização de irregularidade e descontinuidade parietal duodenal ou gástrica é mais bem identificada. Além disso, este método é o de escolha para a avaliação de outras complicações como coleções e abscessos. O diagnóstico de úlcera perfurada não pode ser esquecida pelo radiologista e deve ser lembrado como diagnóstico diferencial nos casos de abdome agudo, pois sua caracterização torna o caso uma emergência cirúrgica.

List of Advantages

  • Úlcera gástrica
  • Colelitíase
  • Colangite
  • Pancreatite

Diagnosis

  • Úlcera duodenal perfurada

Learning

Apesar da baixa prevalência atual, a hipótese de úlcera gástrica ou duodenal perfurada deve ser lembrada nos casos de suspeita de abdome agudo, pois sua identificação é essencial para um tratamento adequado. Por este motivo, uma análise cuidadosa e detalhada deve ser realizada nesses casos, para que os achados de imagens, ainda que tênues, sejam caracterizados de forma precisa.

References

  • Malfertheiner P, Chan FK, McColl KE (2009) Peptic ulcer disease. Lancet 374(9699):1449–1461. doi:10.1016/S0140-6736(09)60938-7
  • Mégraud F. Epidemiology of Helicobacterpylori infection. Gastroenterol Clin NorthAm 1993; 22:73-88.
  • Cho HS, Yoon SE, Park, et al: Distinction between upper and lowergastrointestinal perforation: Usefulness of the periportal free air sign oncomputed tomography. Eur J Radiol 69:108-113, 2009
  • Luigia, Pinto, Antonio (eds): Imaging of Alimentary Tract PerforationRomano (chapter 5). Switzerland, Springer International Publishing. [doi:10.1007/978-3-319-08192-2]
  • Allen BC, Tirman P, Tobben JP, Evans JA, Leyendecker JR. Gastroduodenal ulcers on CT: Forgotten, but not gone. Abdom Imaging 2015;40:19-25
  • Kim SH, Shin SS, Jeong YS, Heo SH, Kim JW, Kang HK (2009) Gastrointestinal tract perforation: MDCT findings according to the perforation sites. Korean J Radiol 10:63–70
  • Ghekiere O, Lesnik A, Millet I, Hoa D, Guillon F, Taourel P (2007) Direct visualization of perforation sites in patients with a non-traumatic free pneumoperitoneum: added diagnostic value of thin transverse slices and coronal and sagittal reformations for multi-detector CT. Eur Radiol 17:2302–2309
  • Pinto A, Scaglione M, Giovine S, et al: Comparison between the site ofmultislice CT signs of gastrointestinal perforation and the site ofperforation detected at surgery in forty perforated patients. Radiol Med108:208-217, 2004
  • Meyers M: The extraperitoneal spaces: Normal and pathologic anatomy.In: Meyers MA (ed): Dynamic radiology of the abdomen, (ed 5) NewYork, Springer-Verlag 333-492, 2000

Case Information

:
: Ahead of DOI

Images

+ See All

Videos

11 3372-4544